1/3

Ex-chefe dos correios em Nagasaki pode ter fraudado mais de ¥1 bi, diz jornal


NAGASAKI - Um ex-chefe de um correio na prefeitura de Nagasaki, pode ter enganado mais de 50 pessoas em mais de 1 bilhão de ienes (US $ 9,1 milhões), disse a Japan Post Co. na terça-feira.


O homem, que está na casa dos 60 anos, havia recebido dinheiro de forma fraudulenta de novembro de 1996, ou possivelmente antes, a janeiro de 2021, dizendo aos clientes que os pagamentos eram para depósitos ou prêmios de seguro, de acordo com uma investigação interna da empresa.


"Pedimos desculpas sinceramente por causar tantos problemas aos envolvidos", disse Kazuyuki Negishi, executivo sênior do Japan Post, em uma entrevista coletiva, acrescentando que a empresa está analisando mais detalhes por meio de uma investigação interna. A polícia também iniciou uma investigação, segundo fontes familiarizadas com o assunto.


O Japan Post suspeita que pode haver mais vítimas, mas eles serão indenizados por suas perdas monetárias, de acordo com a empresa.


O homem se aposentou em março de 2019, mas aparentemente continuou a oferecer os serviços fraudulentos mesmo após sua aposentadoria. Embora tenha admitido a fraude, ele disse à empresa que não se lembra dos detalhes ou de quanto dinheiro pegou, de acordo com o Japan Post.


As alegações surgiram em 27 de janeiro, quando um cliente disse a uma agência local do Japan Post Bank que o ex-chefe recusou seu pedido para fechar uma conta poupança.


O Japan Post disse que sua controladora, a Japan Post Holdings Co., já relatou as alegações à Agência de Serviços Financeiros.


O provedor de serviços postais e financeiros foi atingido por um escândalo semelhante há vários anos, no qual um ex-chefe de uma agência dos correios em Komoro, província de Nagano, região central do Japão, fraudou clientes de cerca de 890 milhões de ienes ao oferecer produtos financeiros falsos com altas taxas de juros .


O Japan Post rescindiu o contrato com a ex-chefe dos correios, que tinha cerca de 70 anos, em abril de 2015.


Em 2019, outro escândalo envolvendo o grupo Japan Post veio à tona quando foi descoberto que os funcionários dos correios faziam os clientes pagarem por produtos de seguro novos e antigos sem mudança por algum tempo.