1/3

Famílias de japoneses sequestrados pela Coréia do Norte ainda clamam por justiça


JAPÃO - Familiares de japoneses sequestrados pela Coréia do Norte nas décadas de 1970 e 1980 na quarta-feira pediram ao primeiro-ministro Yoshihide Suga para tentar buscar uma solução para a questão de longa data antes de sua próxima cúpula com o presidente dos EUA, Joe Biden.


"Oramos todos os dias para que eles estejam seguros. Queremos que todos voltem para casa", disse Sakie Yokota, 85, a mãe de Megumi, que foi sequestrada aos 13 anos em 1977, quando ela novamente convocou a repatriação dos abduzidos.


Suga, que deve se encontrar com Biden em 16 de abril em Washington, respondeu que "transmitiria a importância da questão dos abduzidos de maneira direta" durante a cúpula e que "queria avançar em direção a uma resolução por meio da cooperação" entre os dois governos .


Falando aos repórteres após a reunião, Yokota falou de sua tristeza pelo tempo que passou sem nenhuma resolução para o problema.


"Tudo o que queremos é que nossos filhos voltem para casa", disse ela.


Seu filho, Takuya, 52, que atua como secretário-geral de um grupo de famílias das vítimas, disse que uma resolução rápida é necessária porque o tempo pressiona com o envelhecimento dos membros da família.


O grupo que conheceu Suga incluía Akihiro Arimoto, de 92 anos, pai de Keiko, que foi sequestrada quando ela tinha 23 anos; e Koichiro Iizuka, irmão de 44 anos de Yaeko Taguchi, que foi sequestrado quando ela tinha 22.


No mês passado, o grupo entrou com um pedido dirigido ao secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, em uma reunião com Joseph Young, encarregado de negócios ad interim da Embaixada dos Estados Unidos em Tóquio.


O Japão lista oficialmente 17 pessoas como sequestradas pela Coreia do Norte, com cinco já repatriadas. Mas Pyongyang afirma que oito morreram, incluindo Megumi Yokota, e os outros quatro nunca entraram no país.


A cúpula adquiriu maior importância depois que Pyongyang anunciou abruptamente na terça-feira que se retiraria dos Jogos de Verão de Tóquio por causa de preocupações com a pandemia, privando Suga de sua esperada via de conversas diretas com o ditador norte-coreano sobre o assunto.