1/3

Fukushima teme tremores secundários ao longo dos dias


JAPÃO - Neste sábado, perto da meia-noite, o Japão foi pego de surpresa com um forte terremoto que teve epicentro no mar da costa pacífica de Fukushima com magnitude 7.7 que fez sacudir quase todo o Japão, deixando mais de novecentas mil casas sem eletricidade e centenas de feridos, sendo no Nordeste do Japão, a sua maioria.


A região nordeste do Japão se preparou para tremores secundários no domingo após um terremoto de magnitude 7,3 durante a noite que feriu mais de 150 pessoas, cortou energia e água e interrompeu os serviços de trem-bala, com alguns residentes parecendo cansados ​​enquanto arrumavam a bagunça em suas casas e lojas.


Nenhuma morte foi atribuída ao tremor que atingiu as 23h07 de sábado, registrando 6 pontos na escala de intensidade sísmica do Japão de 7 em partes de Fukushima e Miyagi, as prefeituras devastadas por um terremoto e tsunami de magnitude 9,0 em março de 2011 que deixou mais de 15.000 pessoas mortas e desencadeou uma crise nuclear.


Embora não tenha ocorrido um tsunami, o terremoto de sábado forneceu uma lembrança assustadora desse desastre, poucas semanas antes de seu 10º aniversário.


Em Koriyama em Fukushima, Yosuke Mashiko, 37, estava limpando garrafas e copos quebrados no pub japonês "izakaya" que ele administra.


Com seu negócio já prejudicado pela disseminação do novo coronavírus, Mashiko disse: "Estou perdido, embora não possa culpar ninguém (pela pandemia e terremoto)."


Jonathan Stimmer, um estudante de doutorado de 34 anos da Universidade Tohoku em Sendai, capital de Miyagi, disse: "Fiquei aliviado em saber que não esperávamos nenhum tsunami". Ele estava em casa quando aconteceu o último terremoto.


Stimmer disse que seu micro-ondas e alguns pratos caíram no chão, acrescentando que o tremor era um "lembrete para ficar seguro e alerta nos próximos dias".


Lesões foram relatadas nas duas prefeituras e em outras sete, incluindo Chiba, Kanagawa e Saitama na vizinha Tóquio, segundo um registro do Kyodo News. O terremoto também foi sentido na capital japonesa e em várias outras áreas.


Água em uma piscina de combustível nuclear usado derramou na usina de Fukushima Daiichi, que sofreu colapsos após o desastre de 11 de março de 2011, mas não houve vazamento, de acordo com a operadora Tokyo Electric Power Company Holdings Inc.


Outras concessionárias nucleares relataram que não houve irregularidades.


O primeiro-ministro Yoshihide Suga disse em uma reunião de membros do gabinete pela manhã que o governo havia recebido relatos de muitos feridos, mas nenhuma morte, e pediu às pessoas que fiquem alertas.


"Queremos que as pessoas ajam rapidamente, não baixando a guarda e prestando muita atenção às informações fornecidas pelas autoridades locais", disse Suga, observando que pode haver terremotos com uma intensidade superior a 6 nos próximos sete dias ou mais.


Desde o final do sábado, uma série de tremores secundários que registram até 4 na escala de intensidade estão ocorrendo.


Cerca de 950.000 residências ficaram sem eletricidade em um ponto, mas a energia foi restaurada na tarde de domingo.


As áreas atingidas pelo terremoto, bem como pelo desastre de 2011, contêm sedes olímpicas de Tóquio, incluindo o Estádio Azuma, na cidade de Fukushima, que sediará jogos de beisebol e softball. O comitê organizador dos jogos, com início previsto para julho, disse que todas as instalações foram relatadas como intactas.



O secretário-chefe de gabinete, Katsunobu Kato, disse que o armazenamento ultracold da nova vacina contra o coronavírus da Pfizer Inc., cujas primeiras doses chegaram ao Japão na sexta-feira, não foi afetado pelos apagões.


Como pelo menos 240 pessoas buscaram abrigo em centros de evacuação nas prefeituras de Fukushima e Miyagi, Kato enfatizou que medidas para prevenir a propagação do vírus foram implementadas.


Em Soma, na província de Fukushima, o governo municipal montou tendas para famílias individuais em um ginásio, com até 92 residentes hospedados lá depois de terem suas mãos desinfetadas e suas temperaturas medidas na entrada.


Algumas partes das duas prefeituras sofreram interrupções no abastecimento de água que afetaram instituições médicas.


A pedido do governo da prefeitura de Fukushima, a Força de Autodefesa Terrestre começou a fornecer água aos residentes.


Um deslizamento de terra ocorreu ao longo da via expressa Joban em Soma, levando a East Nippon Expressway Co. a fechar o trecho entre Iwakichuo na prefeitura e Watari na prefeitura de Miyagi.


Equipamentos pesados ​​foram despachados para remover grandes pedras e solo bloqueando todas as pistas.


East Japan Railway Co. disse que espera-se que demore cerca de 10 dias antes que os serviços do trem-bala Tohoku shinkansen voltem a operar plenamente, já que as instalações entre a estação Shinshirakawa em Fukushima e Furukawa em Miyagi foram fortemente danificadas.


O serviço shinkansen de Akita entre Tóquio e Akita, também no nordeste do Japão, será interrompido até segunda-feira.


A suspensão parcial dos serviços de trem-bala levou as companhias aéreas a operar voos especiais conectando cidades na região de Tohoku e Tóquio, bem como outras cidades importantes.