1/3

G-7 promete garantir evacuação segura do Afeganistão


JAPÃO - O G-7 prometeu na terça-feira garantir a evacuação segura de seus cidadãos do Afeganistão após a tomada do poder pelo Talibã, e instou os que estão no poder a cumprir as obrigações de proteger os direitos humanos no país e prevenir o terrorismo.


O presidente Joe Biden, enquanto isso, decidiu não estender seu prazo de 31 de agosto para concluir a evacuação liderada pelos EUA do Afeganistão de americanos e afegãos que trabalharam junto com os Estados Unidos, relatou a Associated Press, citando um funcionário do governo.


A decisão foi tomada no momento em que aliados dos EUA, como Grã-Bretanha e França, pediram uma prorrogação do prazo em meio a operações de transporte aéreo internacional em andamento.


"Nossa prioridade imediata é garantir a evacuação segura de nossos cidadãos e dos afegãos que fizeram parceria conosco e auxiliaram nossos esforços nos últimos vinte anos, e garantir uma passagem segura e contínua para fora do Afeganistão", disseram os líderes do G-7 em um declaração conjunta emitida após sua reunião virtual para discutir a crise em rápida evolução.


"Continuaremos a coordenar de perto isso e esperamos que todas as partes continuem a facilitar isso", disseram eles, ao mesmo tempo que prometem cooperar com países vizinhos e outros na região que estão hospedando refugiados para encontrar rotas seguras e legais para reassentamento .


O aeroporto da capital do Afeganistão, Cabul, foi inundado por milhares de pessoas que buscavam fugir do grupo islâmico que voltou ao poder no início deste mês após ser derrubado por forças lideradas pelos EUA em 2001. Pelo menos 20 pessoas foram mortas no caos.


Governos estrangeiros estão correndo para transportar cidadãos para fora do país, com as Forças de Autodefesa japonesas enviando três aviões de transporte.


O primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, disse na terça-feira que Tóquio trabalhará em estreita colaboração com os outros membros do G-7 nos esforços para evacuar as pessoas do Afeganistão e que seu país está preparado para ajudar a apoiar os refugiados que fogem do Afeganistão para os países vizinhos.


Os membros do G-7 são Grã-Bretanha, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão e Estados Unidos, bem como a União Europeia. O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, e Jens Stoltenberg, secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte, também foram convidados para a reunião de terça-feira.


Com a crescente atenção sobre se um governo do Afeganistão liderado pelo Taleban será reconhecido por potências estrangeiras, os líderes do G-7 disseram que o grupo islâmico será responsabilizado pelos direitos humanos no Afeganistão, incluindo os das mulheres, e pelos esforços para prevenir o ressurgimento em terrorismo.


"Qualquer futuro governo afegão deve cumprir as obrigações internacionais do Afeganistão ... Julgaremos as partes afegãs por suas ações, não por palavras", disseram eles.


Enquanto os terroristas tomavam cidade após cidade antes de assumir o controle de Cabul em 15 de agosto, as forças de segurança do Afeganistão entraram em colapso em questão de dias e o presidente Ashraf Ghani fugiu do país.


Biden, que tem enfrentado críticas pelas caóticas cenas de evacuação no aeroporto de Cabul, defendeu a retirada das tropas americanas em um processo iniciado por seu antecessor Donald Trump, dizendo que "nunca havia um bom momento" para sair.