1/3

Governadores pedem que governo entregue plano de implantação da vacina


JAPÃO - Os governadores das prefeituras exortaram o governo do primeiro-ministro Yoshihide Suga no sábado a apresentar um plano abrangente de vacinação contra o coronavírus assim que possível.


Em um conjunto de propostas a serem submetidas em breve ao governo, a Associação Nacional de Governadores solicitou a definição de metas para a implantação pública da vacina e o detalhamento de um sistema que está sendo criado para acompanhar o andamento das inoculações.


Cerca de 40 dos 47 governadores de províncias do Japão participaram de uma reunião online no sábado e chegaram a um amplo consenso sobre as propostas, com as vacinações para profissionais médicos tendo começado no início de fevereiro.


De acordo com a proposta, os governadores pediram ao governo que cumpra rapidamente seu plano, incluindo um cronograma de quando as pessoas no Japão podem esperar receber suas vacinas.


Eles também solicitaram que o governo central arcasse com a maioria dos custos associados à campanha de vacinação em todo o país.


"O volume do fornecimento de vacina e as estimativas de fornecimento futuro que o governo mostrou representam apenas uma pequena parte dos níveis exigidos", disse o governador de Fukushima, Masao Uchibori. "Gostaria que o governo apresentasse um plano de longo prazo em breve."


A reunião aconteceu um dia depois de Suga dizer que o Japão suspenderá seu estado de emergência COVID-19 para Osaka e cinco outras prefeituras no final do mês.


Os participantes pressionaram o governo a continuar empregando medidas para conter as infecções nas seis prefeituras para evitar outro ressurgimento do vírus.


Eles solicitaram a implementação de medidas para manter o emprego, especialmente para aqueles nos setores de turismo e restaurantes duramente atingidos pela pandemia.


Em janeiro, Suga declarou estado de emergência para 11 prefeituras após um aumento nas infecções por vírus.


Das 10 prefeituras sob a emergência, Aichi, Gifu, Osaka, Kyoto, Hyogo e Fukuoka serão removidas da lista uma semana antes da data final programada para 7 de março, já que o número de novas infecções diárias caiu significativamente e a pressão sobre hospitais diminuíram.


No entanto, Tóquio e as prefeituras vizinhas de Chiba, Kanagawa e Saitama permanecerão sob a declaração de emergência, que exige que as pessoas fiquem em casa o máximo possível e que os restaurantes fechem mais cedo.


O Japão deve vacinar seus 36 milhões de residentes com 65 anos ou mais em abril, antes de expandir a implementação para o resto da população.