1/3

Governo anuncia a remoção de duas turbinas de energia eólica em Fukushima


FUKUSHIMA - O governo japonês disse na quinta-feira que removerá as duas turbinas eólicas restantes instaladas na província de Fukushima, citando a falta de lucratividade do projeto que custou 60 bilhões de ienes (US $ 580 milhões).


O projeto foi amplamente visto como um símbolo da reconstrução da prefeitura do nordeste após o terremoto, tsunami e desastres nucleares de 2011.


A decisão veio apesar da meta do Japão de aumentar sua geração de energia eólica offshore para até 45 gigawatts em 2040, dos meros 20.000 quilowatts atuais como parte dos esforços para combater as mudanças climáticas. O primeiro-ministro Yoshihide Suga se comprometeu a alcançar a neutralidade de carbono até 2050.


Em uma reunião em Fukushima, funcionários do ministério da indústria informaram os pescadores e outros participantes sobre o plano, com a população local dizendo que o governo havia desperdiçado o dinheiro dos contribuintes e deveria conduzir um estudo completo sobre o motivo do fracasso do projeto.


Das três turbinas instaladas a 20 quilômetros de Naraha, o governo removeu uma em junho. Ela decidiu remover os dois restantes no ano fiscal que começa em abril.


As três turbinas foram construídas em etapas a partir de 2012 para apoiar a economia local, criando uma nova indústria baseada em energia renovável. Para comercializar a geração de energia eólica, a taxa de operação de uma turbina deve permanecer em 30 a 35 por cento ou mais, de acordo com o ministério.


Mas as taxas das turbinas ao largo de Fukushima estavam em torno de 4 a 36 por cento, disse a trading Marubeni Corp., que participou do projeto.