TSJ MN_edited.png

1/3

Governo autoriza volta de moradores a suas casas afetadas pelo desastre nuclear de 2011


JAPÃO - Mais de uma década desde o desastre nuclear de março de 2011, alguns moradores registrados de parte de uma vila de Fukushima feitas fora dos limites por altos níveis de radiação podem finalmente voltar para casa depois que o governo decidiu na sexta-feira autorizar as ordens de evacuação, que entram em vigor dentro de 9 dias.


Uma parte de 0,95 quilômetros quadrados de Katsurao, localizada perto da extinta usina nuclear de Fukushima Daiichi, terá sua classificação de zona "difícil de retornar", a sede de resposta a emergências nucleares do governo e a Agência de Reconstrução concordaram em uma reunião conjunta.


A mudança vem depois que governos nacionais e locais decidiram em maio que a descontaminação de radiação da área e os desenvolvimentos de infraestrutura haviam progredido o suficiente para reabrir.


A totalidade de Katsurao ficou fora dos limites após a crise nuclear desencadeada por um enorme terremoto e tsunami em 11 de março de 2011, com ordens de evacuação para a maior parte da aldeia levantadas em 12 de junho de 2016.


Dos 30 domicílios registrados e 82 residentes na parte relevante de Katsurao, apenas quatro famílias, totalizando oito pessoas, manifestaram intenção de retornar, de acordo com o governo da aldeia.


Atualmente, cerca de 337 km² de terra em seis municípios da prefeitura de Fukushima, incluindo Katsurao, Okuma e Futaba, ainda estão sujeitos à classificação de zona de difícil retorno.


Na reunião de sexta-feira, o primeiro-ministro Fumio Kishida disse que pretende "avançar com o trabalho para levantar as restrições e acelerar ainda mais a recuperação de Fukushima".


Entre os outros cinco municípios de Fukushima dentro da zona, Futaba e Okuma devem ter restrições parcialmente suspensas a partir de junho, enquanto os outros três podem esperar remoções parciais na primavera de 2023.


No entanto, mais de 90% da zona de difícil retorno na prefeitura permanecerá sob a classificação, e não há um cronograma concreto para quando ela estará completamente acessível novamente.