1650382760548_edited.png

JORNALISMO SIMPLES E DIRETO | O dia a dia do Japão

Radio Mirai (Branco).png
1650382760548.png

1/3

Grande Sismo de Kobe completa 27 anos


JAPÃO - Brasil, segunda-feira, 16 de janeiro de 1995. Japão, terça-feira, 17 de janeiro de 1995.


Enquanto era o fim de mais um dia no Brasil, no Japão poderia ser o início de mais um outro dia, até que perto das 6h da manhã, no horário de Tóquio, os moradores em Kobe e adjacências acordaram sob um forte tremor de quase 7 graus, sacudindo prédios, casas e instalações, resultando na morte de aproximadamente 6400 pessoas e ferindo outras 35 mil.


27 anos depois, moradores da região atingida fizeram uma cerimônia para homenagear as vítimas do desastre que virou notícia no mundo inteiro, além de causado graves problemas financeiros na economia nipônica.


Em um parque na cidade de Kobe, foi realizada uma cerimônia memorial meio dia antes do que no ano passado para permitir que as pessoas se espalhassem e participassem do evento. Os visitantes acenderam lanternas e ofereceram um momento de silêncio.


Desde que o terremoto e o tsunami ocorreram há 27 anos, um evento é realizado em um parque em Kobe, em memória das vítimas do desastre natural de 1995.


Este ano, o evento começou meio dia antes do que no ano passado, na noite do dia 16, para evitar o congestionamento, já que o número de pessoas infectadas aumentou acentuadamente novamente, enquanto a entrada e saída do parque é limitada devido aos trabalhos de reforma.


No local, estudantes voluntários do ensino médio e pessoas que vieram rezar lanternas de papel acesas dispostas em forma de caracteres chineses para "não esquecer" usando velas, e ofereceram uma oração silenciosa às 17h46, meio dia antes da hora do terremoto.


As lanternas foram acesas usando as velas das "Lanternas da Esperança" que foram acesas no parque em memória daqueles que morreram no terremoto e na esperança de recuperação.


Uma mulher na casa dos 40 anos da cidade de Nishinomiya, na província de Hyogo, que foi ao evento com seu filho, disse: "Eu era universitária na época do tremor. Durante a oração, cheguei a me lembrar do desespero das pessoas e das ruínas que o terremoto deixou na cidade. Meus filhos nasceram anos mais tarde ao ocorrido. Nesse caso eu vivo me perguntando como posso contar essa história a eles. Há um monumento que foi levantado em memória das vítimas, acho que as crianças sentiram o peso da vida."


Uma garota da quinta série de Kobe disse: "O terremoto foi um evento que tirou a vida de muitas pessoas de repente, e eu acho que não devemos esquecê-lo no futuro."


Shinichi Fujimoto, presidente do comitê organizador, disse: "Eu acho que é significativo continuar fazendo pequenos esforços. Não é apenas para Kobe, mas também para pessoas que sofreram com esse e outros desastres, e espero que possamos compartilhar nossos sentimentos."