1/3

Guarda costeira testa tecnologia para rastrear navios suspeitos


JAPÃO - O Japão começará a testar um sistema assistido por inteligência artificial no próximo ano fiscal para detectar e rastrear embarcações estrangeiras suspeitas automaticamente em suas águas territoriais, disseram autoridades da Guarda Costeira do Japão.


Espera-se que o sistema ajude a aliviar a carga sobre as operações marítimas de segurança, já que o Japão enfrenta um aumento nas intrusões em suas águas e atividades ilegais em sua zona econômica exclusiva, particularmente por navios chineses, disseram eles.


O sistema integrado baseado em IA, que monitorará os dados de satélite, permitirá a detecção precoce e a previsão de intrusões por meio da análise dos dados de navegação dos navios, como velocidade, localização e direção.


O sistema deverá ter a capacidade de processar dados de vários navios ao mesmo tempo, disseram eles. Assim que um navio suspeito for detectado, a guarda costeira despachará os navios.


O governo está fornecendo 450 milhões de ienes (US$ 4,1 milhões) para cobrir o custo do desenvolvimento inicial, e o sistema deve começar a operar no ano fiscal de 2024, disseram as autoridades da guarda costeira. Os anos fiscais do Japão começam em abril.


Pequim tem enviado regularmente seus navios de patrulha para dentro e perto das águas territoriais do Japão ao redor das Ilhas Senkaku no Mar da China Oriental. As ilhotas desabitadas são administradas pelo Japão, mas reivindicadas pela China, que as chama de Diaoyu.


Japão e China continuam divididos sobre a questão territorial, bem como sobre a história do tempo de guerra.


O Japão também está vendo um aumento da pesca ilegal por barcos chineses no Banco Yamato, um rico local de pesca no Mar do Japão, na Península de Noto.


Até o momento, neste ano, a guarda costeira disse que já tratou de 148 casos em que ordenou que os barcos chineses deixassem as águas.


As atividades marítimas ilícitas "precisam ser tratadas com urgência", disse um oficial da guarda costeira.