1/3

Hanyu Yuzuru falha na primeira apresentação e seleção faz as pazes com a vitória no Hóquei

CHINA - O quarto dia de competições dos Jogos da XXIV Olimpíada de Inverno da Era Moderna foi marcado pela estreia de Hanyu Yuzuru e pela excelente performance de Shoma Uno, além de outras esperanças ao longo da madrugada e da manhã brasileira desta terça.


Salto de Esqui: "É preciso mais do que apenas trabalho duro e talento natural para alcançar o auge", diz Ryoyu Kobayashi ao sentir como é ser medalhista de ouro.

Ryoyu Kobayashi, que conquistou o primeiro ouro olímpico de salto de esqui do Japão em 24 anos depois de triunfar na prova de montanha normal masculina, disse na terça-feira que é preciso mais do que apenas trabalho duro e talento natural para alcançar o auge.


Com 26 vitórias no mundial, o maior número de um saltador de esqui masculino japonês, e dois títulos de Four Hills, Kobayashi é tão bem credenciado quanto qualquer um, mas o atleta de 25 anos disse que isso não torna mais fácil ganhar uma medalha olímpica.


"Você precisa ser inquestionavelmente bom para continuar vencendo no circuito da Copa do Mundo. Mas o que torna difícil vencer nas Olimpíadas é que você precisa estar em sua melhor condição naquele dia, e depois há o vento", disse ele. "Ambos são desafiadores."


Dois dias depois de conquistar o primeiro ouro, Kobayashi disse que ainda não recebeu a medalha, mas, quando receber, planeja pendurá-la no pescoço de seu técnico do clube, Noriaki Kasai, o homem que ele chama seu professor.


Kobayashi disse que foi inundado com mensagens de felicitações de amigos, mas ainda não conseguiu responder a todas elas. "Estou feliz que há tanta reação", disse ele.


O nipo-atleta disse que as condições do vento eram mais estáveis ​​do que o esperado, acrescentando que ele raramente se incomoda com os ventos.


Neste sábado, Kobayashi compete no evento individual de grandes colinas, onde espera dobrar sua carga de ouro. Ele teve a chance de três medalhas, mas o Japão terminou em quarto lugar no evento de equipes mistas na segunda-feira.


Em um evento cheio de drama marcado por várias desqualificações relacionadas a equipamentos, o Japão teve suas chances de medalhas frustradas quando Sara Takanashi foi uma das cinco saltadoras a ter suas pontuações de salto cortadas.


Kobayashi foi visto abraçando seu companheiro de equipe choroso após seu enorme segundo salto de 106 metros, que não compensou totalmente a desqualificação de Takanashi, já que o Canadá ficou com o bronze por 8,3 pontos.


"Eu não senti que todo o peso estava em mim. Eu só queria entregar o meu melhor desempenho possível", disse Kobayashi. Mas a estrela cadente do salto de esqui já deixou o passado para trás.


"Conquistei a medalha de ouro que cobiçava, mas os jogos ainda estão acontecendo. Ainda não terminei", disse ele. "Não sinto nada além de excitação (pela grande colina). Estou confiante."


Combinado Nórdico: Akito Watabe diz que só por "um salto milagroso" conseguirá o ouro

Embora a pandemia tenha forçado superestrelas da competição nórdica de esqui combinado, o bicampeão de prata Akito Watabe diz que sente que um salto milagroso é necessário para conquistar sua primeira medalha de ouro.


O combinado nórdico é um dos esportes dos Jogos de Inverno de Pequim mais impactados pela pandemia, com quatro dos sete melhores atletas da Copa do Mundo esperados para perder o evento individual de 10 quilômetros de colina normal na quarta-feira.


Entre eles está o tricampeão geral da Copa do Mundo Jarl Magnus Riiber, da Noruega, que testou positivo na vila dos atletas antes dos jogos.


O bicampeão olímpico individual da Alemanha, Eric Frenzel, e o companheiro de equipe Terence Weber também testaram positivo na chegada a Pequim. Os três podem terminar a quarentena e participar do evento da grande colina na próxima terça-feira se testarem negativo duas vezes.


"Não consegui dar saltos dignos de uma medalha de ouro, o que sempre disse que pretendo", disse Watabe, que está competindo junto com seu irmão mais novo, Yoshito.


Akito, de 33 anos, que carregou a bandeira japonesa no desfile das nações na cerimônia de abertura, marcou um salto de 99,0 metros em seu treino final na terça-feira, enquanto alguns em boa forma o pularam.


"Não gosto da frase 'acreditar em um milagre', mas em relação à minha situação neste momento, comecei a pensar que talvez valha a pena esperar por um", disse ele.


Para o atleta, os Jogos de Pequim têm um significado diferente das duas últimas Olimpíadas, onde conquistou medalhas de prata, já que desta vez é um pai orgulhoso.


"Não tive meu dia para esta temporada e acho que é hora de ter minha vez de aproveitar um pouco de sorte", disse Watabe. "Espero que essa virada chegue nas Olimpíadas."


Patinação Artística: Hanyu Yuzuru estreia nas Olimpíadas fechando o dia abaixo do esperado


A campanha de Yuzuru Hanyu para uma terceira medalha de ouro olímpica consecutiva na patinação artística sofreu um duro golpe por um buraco no gelo na terça-feira no Capital Indoor Stadium de Pequim, mas o grande japonês prometeu continuar lutando.


O jogador de 27 anos falhou em seu primeiro salto do programa curto de simples masculino, pegando seu skate no gelo e transformando um quad salchow em uma única rotação. O erro caro o fez ganhar 95,15 pontos abaixo do esperado e ficar em oitavo após o primeiro dia da competição.


Enquanto isso, o favorito à medalha de ouro Nathan Chen subiu para um novo recorde mundial de 113,97 para o segmento, terminando o dia no topo, à frente dos skatistas japoneses Yuma Kagiyama em 108,12 e Shoma Uno em 105,90.


Mostrando o espírito competitivo que o levou a dois campeonatos olímpicos consecutivos, Hanyu disse que não perdeu a esperança, apesar do grande acidente.


"Tudo pode acontecer. Vamos ver como as coisas se desenrolam", disse ele. "Vou dar tudo o que tenho e tentar lutar para voltar à competição."


Um desempenho impecável no skate livre de quinta-feira ainda pode não ser suficiente para atrair seus dois companheiros de equipe japoneses, muito menos o tricampeão mundial Chen, que tem sido praticamente imbatível desde seu decepcionante quinto lugar nas Olimpíadas de 2018.


Então, ainda uma estrela em ascensão, o americano infame desmaiou no programa curto em Pyeongchang, na Coréia do Sul, tirando-se da disputa depois que foi previsto que ele disputasse o ouro.


Chamando o colapso de "experiência de aprendizado", o jovem de 22 anos, intensamente motivado, desde então passou a melhorar todos os aspectos de sua patinação, como evidenciado pelo curto programa de terça-feira, no qual ele eclipsou o recorde mundial anterior de 111,82, estabelecido por Hanyu no torneio policontinental de 2020.


Em contraste, Hanyu passou grande parte do período entre as Olimpíadas lidando com lesões, incluindo ligamentos problemáticos do tornozelo direito, que interromperam fortemente um cronograma de competições já impactado pela pandemia.


Enquanto ele enfrenta uma batalha difícil para se tornar o primeiro três vezes medalhista de ouro na patinação artística masculina desde Gillis Grafstrom, da Suécia, em 1928, ele também está de olho em outro feito histórico nos Jogos de Pequim.


Ele vem praticando o eixo quádruplo com o objetivo de se tornar o primeiro skatista a acertar o salto de quatro rotações e meia, considerado o santo graal do esporte, em uma competição.


Hanyu considerou desistir depois de ganhar seu segundo ouro em 2018, mas o fascínio do quad axel foi uma das coisas que o motivou a continuar. Perguntado na terça-feira se ele tentaria o salto em Pequim, Hanyu foi rápido em responder: "Claro".


Hóquei: Japão faz as pazes com a vitória ao derrotar República Tcheca

O Japão avançou para as quartas de final do hóquei no gelo feminino na primeira posição ao derrotar a República Tcheca por 3 a 2 após uma disputa de pênaltis.


Haruka Toko marcou os dois gols do Japão durante o tempo regulamentar, mas as tchecas empataram duas vezes no Wukesong Sports Centre. Ambas as equipas já estavam apuradas, mas desesperadas por uma vitória, com um empate mais favorável.


"Estou muito feliz porque liderar o grupo foi o nosso primeiro objetivo", disse Toko, cujos gols foram ambos assistidos pela sua irmã mais velha, Ayaka. "Senti que tínhamos que liderar o grupo para conseguir uma medalha. Sinto que demos um passo mais perto disso."


"Definitivamente seremos o azarão, então entraremos no jogo com a mentalidade de desafiar nossos oponentes e obter a vitória a qualquer custo para progredir".


"Para nós, como equipe, é apenas uma etapa em nossa jornada", disse Ayaka Toko. "Estamos buscando uma medalha nos últimos quatro anos e estamos apenas no começo. Não queremos dizer 'estamos perto', queremos algo tangível."


Agenda do Japão para esta quarta, dia 9


22h30 - Snowboard: As nossas atletas vão em busca da classificação para a final no halpfife feminino. O Hinomaru será defendido por: Ruki Tomita, Mitsuki Ono, Kurumi Imai e Sena Tomita.


23h15 - Esqui Alpino: Sakurako Mukogawa e Asa Ando vão participar das eliminatórias do Slalom Feminino.


0h - Snowboard: Yuka Nakamura será a única japonesa que estará na disputa pela vaga nas finais do cross feminino.


1h30 - Snowboard: Depois das meninas, chega a vez dos meninos! Ayumu Hirano, Ruka Hirano e Yuto Totsuka e Kaishu Hirano estarão desafiando as rampas em meio ao frio da tarde.


4h - Combinado Nórdico: Sora Yachi, Yoshito Watabe, Ryota Yamamoto e Akito Watabe estarão na luta pela classificação para brigar por medalhas na categoria masculina por equipes.


8h - Patinação de Velocidade: Nossos patinadores estarão disputando por vagas nas próximas fases da competição rumo a final olímpica em ambos os gêneros.