1/3

Indústria farmacêutica do Japão se opõe ao apoio dos EUA à dispensa de patente de vacina


JAPÃO - A Associação de Fabricantes Farmacêuticos do Japão se opôs na sexta-feira ao apoio dos EUA a uma renúncia temporária dos direitos de patente da vacina contra o coronavírus detidos por empresas farmacêuticas, dizendo que tal movimento poderia exacerbar a escassez global de componentes vitais para vacinas e aumentar a ansiedade sobre a qualidade do produto.


No início desta semana, a representante comercial dos EUA, Katherine Tai, disse que o governo do presidente Joe Biden apoiará a ideia de uma renúncia de propriedade intelectual para ajudar a expandir o fornecimento global de vacinas como parte dos esforços para acabar com a pandemia de COVID-19.


Tal renúncia está sendo discutida na Organização Mundial do Comércio, com seu chefe Ngozi Okonjo-Iweala saudando a posição de Washington.


O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Ghebreyesus, que já expressou apoio à medida dos EUA, exortou outros países a fazerem o mesmo.


"Sei que não é uma coisa politicamente fácil de fazer, por isso agradeço muito a liderança dos Estados Unidos e exortamos outros países a seguirem seu exemplo", disse o chefe da OMS na sexta-feira.


O órgão da indústria japonesa argumentou que a renúncia à propriedade intelectual não garantiria necessariamente a produção de vacinas com qualidade equivalente às atualmente disponíveis.


O grupo disse estar preocupado com a possibilidade de que produtos ineficazes possam circular e que o risco de efeitos colaterais também possa aumentar.


"Estamos profundamente preocupados que se as vacinas forem feitas em um ambiente incontrolável, isso irá intensificar a escassez de matérias-primas, bem como dispersar e interromper as cadeias de abastecimento, possivelmente levando a um novo atraso nas distribuições", disse a associação em um comunicado.


Com a disponibilidade desigual de vacinas em muitas partes do mundo, o governo Biden tem enfrentado pressão de legisladores democratas e de outros países para compartilhar a propriedade intelectual para aumentar a produção de vacinas.


Após o anúncio dos EUA de seu apoio, o presidente francês Emmanuel Macron disse ser absolutamente a favor de uma renúncia à proteção de patente para vacinas COVID-19, enquanto a Alemanha se opõe à ideia.


O governo do Japão, onde as vacinas domésticas para o coronavírus ainda não estão disponíveis, não mostrou claramente sua posição sobre a ideia de renúncia de patente.