1/3

Japão aumentará capacidade hospitalar para tratar mais pacientes com COVID-19


JAPÃO - O governo do Japão disse na sexta-feira que vai impulsionar o sistema médico do país para permitir que 20% mais pacientes com COVID-19 sejam admitidos em hospitais em comparação com a quinta onda de infecções neste verão, quando muitas pessoas foram forçadas a se recuperar em casa.


Em um esboço de contra-medidas apresentadas em uma reunião de painel, o governo do novo primeiro-ministro Fumio Kishida disse que buscará aumentar a taxa de utilização de leitos hospitalares garantidos para pacientes infectados, além de designar mais leitos em hospitais públicos para uso exclusivo por pessoas que sofrem de doenças respiratórias.


O anúncio foi feito em meio a preocupações com uma potencial sexta onda do vírus no inverno. Medidas para prevenir tal desenvolvimento são uma questão chave para as eleições gerais de 31 de outubro.


"Vamos nos preparar para o próximo surto de infecções considerando o pior cenário", disse Kishida na reunião. O governo planeja apresentar uma resposta mais detalhada à pandemia em novembro, acrescentou.


Kishida também disse que pode pedir às pessoas que sigam restrições estritas em suas atividades se o país observar um grande aumento nas infecções por coronavírus.


O Japão viu um aumento no número de infecções neste verão, quando realizou os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Tóquio, registrando um recorde diário nacional de 25.867 em 20 de agosto. Desde então, o país tem visto um declínio constante nos casos, mas as preocupações permanecem com outro aumento.


Na sexta-feira, a contagem nacional era de 531 casos, de acordo com relatórios dos governos locais.


Tóquio confirmou na sexta-feira 57 casos de infecções, em comparação com 138 da semana anterior. O número de pacientes internados ou em recuperação em casa está diminuindo, segundo o governo metropolitano.


No esboço, o governo disse que vai preparar a infraestrutura médica para que possa suportar outra onda de infecções pior do que a quinta onda.


Ele disse que planeja ter cerca de 80 por cento dos leitos hospitalares alocados para tratar da COVID-19 utilizados e exige que os hospitais públicos garantam mais leitos de acordo com a lei.


No entanto, o fortalecimento do sistema de saúde representa um desafio, pois exigirá a contratação de mais profissionais da área médica e o equilíbrio do tratamento para pacientes com covid e aqueles com outras doenças.


O governo, portanto, provavelmente será obrigado a fornecer apoio suficiente às instalações médicas.


Para garantir a transparência, o governo também está considerando a liberação de informações sobre a infraestrutura médica do país, incluindo a taxa de ocupação de leitos hospitalares e a situação dos exames online de pacientes do COVID em recuperação em casa.