top of page
1665608300863 (1).png
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube

Japão deixa cargo vago de país conselheiro especial em direitos humanos

O primeiro-ministro, Fumio Kishida, deixou vago o cargo de conselheiro especial em questões de direitos humanos internacionais por cerca de seis meses, resultando em debate estagnado no país sobre como lidar com tais preocupações.


Desde a remodelação do gabinete em setembro, Kishida não nomeou nenhum sucessor para o ex-ministro da Defesa Gen Nakatani, um defensor da introdução de sanções a funcionários estrangeiros acusados de violações de direitos humanos, semelhantes às do Ato Magnitsky dos EUA.


Com a ausência de progresso nas discussões sobre uma versão japonesa do Ato Magnitsky e ninguém ocupando o cargo, Kishida tem sido criticado por "adiar" medidas para abordar preocupações humanitárias globais.


A criação do cargo de conselheiro especial em direitos humanos foi uma das promessas de Kishida quando ele concorreu com sucesso na corrida presidencial do PLD em setembro de 2021.

Posts recentes

Ver tudo

Comments


© TSJ 2024. Todos os direitos reservados

bottom of page