1/3

Japão deve liberar água radioativa tratada de Fukushima no mar


JAPÃO - O governo japonês está prestes a liberar água radioativa tratada acumulada na usina nuclear de Fukushima danificada no mar, apesar da oposição dos pescadores, disseram fontes familiarizadas com o assunto na sexta-feira.


Será realizada uma reunião de ministros relacionados já na terça-feira para decidir formalmente sobre o plano, um grande desenvolvimento após mais de sete anos de discussões sobre como descarregar a água usada para resfriar o combustível derretido na planta de Fukushima Daiichi.


Diz-se que a água tratada contendo trítio radioativo, um subproduto dos reatores nucleares, representa pouco risco para a saúde humana porque, mesmo que se beba a água, desde que a concentração de trítio seja baixa, as quantidades de trítio não se acumulam no corpo e logo seria excretado.


Também não há risco de exposição externa, mesmo se a água entrar em contato com a pele.


Ainda assim, as preocupações continuam entre a indústria pesqueira do Japão e os consumidores, bem como países vizinhos, como Coréia do Sul e China.


O governo disse que não pode continuar adiando uma decisão sobre a questão do descarte, uma vez que a capacidade de armazenamento dos tanques de água no complexo de Fukushima deve se esgotar já no outono do próximo ano.


Afirma que é necessário garantir espaço nas instalações, por exemplo, para manter os restos de combustível derretido que serão extraídos dos reatores danificados, para avançar no processo de demolição do complexo que já dura décadas.


A operadora da planta Tokyo Electric Power Company Holdings Inc. disse que levará cerca de dois anos para que a descarga comece.


O governo esperava inicialmente tomar uma decisão sobre o descarte da água tratada em outubro do ano passado, mas depois decidiu que precisaria de mais tempo para discussões em meio a preocupações sobre danos à reputação de produtos marinhos.


Mas o primeiro-ministro Yoshihide Suga disse na quarta-feira que seu governo decidirá "em alguns dias" se liberará a água após se reunir com Hiroshi Kishi, chefe da federação nacional de cooperativas de pesca, que transmitiu a forte oposição de sua organização ao plano.


Em relatos da mídia de que o Japão está prestes a despejar a água no mar, a China e a Coréia do Sul responderam pedindo a Tóquio que considere isso com cuidado e com transparência.


A China instou o Japão a tomar uma decisão cautelosa sobre o assunto, dizendo: "O vazamento de material radioativo causado pelo acidente nuclear de Fukushima no Japão teve um impacto profundo no meio ambiente marinho, segurança alimentar e saúde humana".


O governo japonês deve divulgar informações adequadas e "tomar uma decisão cuidadosa com base em consultas completas com os países vizinhos", disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, a repórteres em Pequim.


O Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Sul disse em um comunicado: "Nosso governo sempre enfatizou que o governo japonês precisa divulgar informações de forma transparente sobre como lida com a água contaminada".


O ministério acrescentou que deseja continuar a ter discussões estreitas sobre o assunto com o Japão e outros países interessados, bem como com organizações internacionais como a Agência Internacional de Energia Atômica.


China e Coreia do Sul estão entre 15 países e regiões que continuam a restringir as importações de produtos agrícolas e pesqueiros japoneses mais de 10 anos após a crise nuclear de Fukushima, causada por um terremoto e tsunami devastadores em 2011.


Em fevereiro do ano passado, um painel do governo propôs várias opções para o descarte da água, incluindo liberá-la no oceano e evaporá-la.


No mês seguinte, a TEPCO traçou um plano para diluir a água abaixo do limite legal de concentração de materiais radioativos antes de liberá-la no mar.


A usina Fukushima Daiichi, que sofreu derretimentos após a catástrofe natural em março de 2011, continua a gerar grandes quantidades de água contaminada por radiação após ser usada para resfriar o combustível derretido.


A água é tratada usando um sistema avançado de processamento de líquidos, ou ALPS, para remover a maioria dos contaminantes e armazenada em tanques nas instalações do complexo. O processo, no entanto, não consegue remover o trítio, um subproduto radioativo dos reatores nucleares.


A AIEA apoiou o plano do governo japonês de descartar a água, dizendo que seu lançamento no mar atende aos padrões globais de prática na indústria nuclear.


O diretor-geral do órgão sediado em Genebra, Rafael Grossi, durante sua visita ao complexo de Fukushima em fevereiro, disse que é uma forma comum de liberar água em usinas nucleares, mesmo quando não estão em situações de emergência.


O ministro da indústria do Japão, Hiroshi Kajiyama, disse a Grossi em uma videoconferência no mês passado que o Japão deseja que a AIEA conduza uma revisão científica e objetiva do método de descarte da água e transmita abertamente sua visão à comunidade internacional.


Kajiyama disse na época que a mensagem da AIEA é vital para dissipar as preocupações e preocupações com a reputação sobre a segurança da água que existem tanto no mercado interno quanto nos países vizinhos.