1650382760548_edited.png

JORNALISMO SIMPLES E DIRETO | O dia a dia do Japão

Radio Mirai (Branco).png
1650382760548.png

1/3

Japão, EUA e Coreia do Sul falam em "medidas específicas" em caso de teste nuclear norte-coreano


JAPÃO - Diplomatas do Japão, EUA e Coreia do Sul prometeram tomar "medidas específicas" se a Coreia do Norte realizar um teste nuclear, foi o que disse um membro do Ministério das Relações Exteriores.


O acordo veio em uma reunião trilateral em Tóquio entre Takehiro Funakoshi, diretor-geral do Departamento de Assuntos Asiáticos e Oceânicos do Ministério das Relações Exteriores do Japão, e seus homólogos norte-coreanos e sul-coreanos, Sung Kim e Kim Gunn.


Eles também concordaram em continuar promovendo a cooperação de segurança entre as três nações para reforçar sua dissuasão contra a Coreia do Norte, que testou mísseis balísticos lançados em desafio a uma série de resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas, de acordo com o ministério.


Acredita-se que a Coreia do Norte tenha concluído os preparativos para seu sétimo teste nuclear e o primeiro desde setembro de 2017, com especulações de que o país asiático pode realizá-lo em breve.


Compartilhando "sérias preocupações" de que Pyongyang vem acelerando o programa nuclear, os três concordaram com a necessidade de "respostas resolutas" no caso de um teste nuclear, disse o funcionário.


Os diplomatas também se referiram à notícia de que a Rússia, atingida por sanções econômicas impostas por nações ocidentais sobre sua invasão à Ucrânia desde o final de fevereiro, vem comprando foguetes e projéteis de artilharia da Coreia do Norte, disse o funcionário a repórteres.


"De um modo geral, compartilhamos a visão de que qualquer importação de armas e suprimentos relacionados da Coreia do Norte viola resoluções relevantes das Nações Unidas", acrescentou o funcionário.


Durante a reunião de quase duas horas, Kim, da Coreia do Sul, falou sobre as "iniciativas audaciosas" do presidente Yoon Suk Yeol, que incluem ajuda econômica ao Norte se o país tomar medidas práticas em direção à desnuclearização, disse o funcionário.


No mesmo dia, Masami Oka, vice-ministro sênior da Defesa do Japão, e Shin Beom Chul, vice-ministro da Defesa da Coreia do Sul, se reuniram em Seul, confirmando a importância de aumentar sua cooperação bilateral e trilateral envolvendo Washington.


Os dois também concordaram em continuar se comunicando "para resolver as questões pendentes" entre as duas nações, disse o governo japonês, à medida que suas relações se deterioravam sob a antiga administração do presidente Moon Jae In, que limitou seu contato com o Japão sob sua administração.


Shin disse a repórteres que os dois falaram sobre um suposto bloqueio do radar de controle de fogo em um avião de patrulha das SDF por um destroier sul-coreano em dezembro de 2018, acrescentando que continuarão a discutir o assunto.


O incidente de bloqueio de radares desgastou os laços bilaterais, juntamente com a história da guerra e disputas territoriais.


Seul negou a irradiação do radar e alegou que o avião japonês deliberadamente voou a baixa altitude perto dos navios navais sul-coreanos em três ocasiões.