TSJ MN_edited.png

1/3

JIC manifesta interesse em assumir a Toshiba


JAPÃO - O fundo de investimento público-privado Japan Investment quer adquirir a Toshiba, a primeira entidade nacional conhecida a manifestar interesse em assumir o conglomerado japonês.


A medida ocorre após relatos no início deste ano de que o fundo de investimento americano Bain Capital estava ponderando uma possível aquisição da Toshiba. A empresa japonesa tem procurado patrocinadores em potencial para privatizá-la em meio a incertezas sobre seu futuro após o fracasso dos planos de reforma.


Como os setores de energia nuclear e defesa da Toshiba, considerados cruciais para a segurança econômica do Japão, se enquadram nas "indústrias principais", de acordo com a lei cambial do país, qualquer oferta pública precisará ser examinada pelo Ministério da Economia, Comércio e Indústria, um desafio para as empresas estrangeiras.


Um nome familiar no Japão com quase 150 anos de história, a Toshiba vem enfrentando pressão de acionistas frustrados por seus esforços medíocres para impulsionar o crescimento e o valor corporativo. A deslistagem poderia eliminar tal pressão.


O conglomerado em abril fez um movimento sem precedentes ao dizer que estava aceitando sugestões sobre estratégias de negócios, incluindo possíveis aquisições.


O prazo para a primeira rodada está previsto para 30 de maio, com as inscrições a serem reduzidas em uma assembleia geral no final de junho. Até 13 de maio, 10 empresas haviam manifestado interesse, segundo a Toshiba.


Em março, a Toshiba não conseguiu obter o apoio majoritário de seus acionistas para uma proposta de divisão em duas empresas listadas, enquanto a empresa continua lutando para melhorar sua imagem após uma série de escândalos nos últimos anos.


A JIC se recusou a comentar, enquanto a Toshiba disse que não anunciou publicamente nenhum pedido individual.


O maior fundo de investimento público-privado do país foi lançado em setembro de 2018 como a empresa depois que seu antecessor, o Innovation, foi criticado por se concentrar em resgatar empresas em dificuldades em vez de investir para ajudar empreendimentos a crescer. Está sob a jurisdição do ministério da indústria.